Bon Vivant Mundo Pet

5 cuidados com o cachorro na piscina

Veterinária da DogHero lista atenções básicas para ter com o pet, além de lembrar que nem todas raças podem brincar na água

Durante o verão, muitos pais e mães de cachorros gostam de curtir os melhores momentos com seus pets. Brincar na piscina, passear na praia e dar banho de mangueira para refrescá-lo são algumas das alternativas para dias quentes. Assim, é preciso ter cuidados especiais para não prejudicar a saúde do cão, alerta a veterinária Thaís Matos da DogHero , maior empresa de serviços para animais de estimação da América Latina que, através do site e app, conecta quem tem animal de estimação a uma comunidade de passeadores, pet sitters e anfitriões escolhida a dedo.

“Também existem raças que não podem entrar na piscina como Basset hound, Dachshund, Shih-tzus, Buldogues, Pugs e outros”, lembra a veterinária. Abaixo, cinco dicas para cuidar do seu pet:

1. Atenção com a saúde e alimentação do cãozinho

Evite alimentar o seu cão antes dele entrar na piscina, pois o pet pode passar mal e até ter uma congestão. O ideal é entrar na água três horas depois de alguma refeição, alerta a veterinária da DogHero. Outro cuidado essencial é analisar a saúde do seu cão. Verifique se ele está com verminose intestinal, doenças de pele ou qualquer outra complicação de saúde e, em caso positivo, evite o contato dele com a água.

2. Cuidado com traumas e acidentes na piscina

Procure deixar o cachorro bem à vontade para ele entrar da piscina como desejar ou, então, coloque-o lentamente e com cuidado. Muitos pais e mães de cães cometem o erro de jogar o animal na piscina, achando que é uma brincadeira. Pelo contrário, essa atitude pode gerar um trauma muito grande e até machucá-lo, alerta a veterinária.

3. Evite queimaduras indesejadas no seu pet

Assim como humanos, os cães sentem muito calor, ficam cansados e podem sofrer queimaduras nas patas nos períodos mais quentes do dia. Procure curtir os dias de verão com seu amigo nos horários em que o sol estiver mais ameno. Uma dica importante é o uso de protetor solar próprio para pets. Aplique o produto nas orelhas e no focinho para evitar queimaduras.

4. Utilize proteção no cão para evitar afogamentos

Para os cães que não são acostumados a entrar na piscina, uma dica é colocar uma coleira de peito para que, caso o animal fique cansado ou tenha câimbras, você consiga puxá-lo rapidamente. Outra opção é investir em coletes salva-vidas próprio para eles, o produto é muito parecido com o para humanos.

5. Invista nos cuidados pós piscina

Depois que o cãozinho sair da piscina é fundamental que você dê banho nele com shampoo próprio para cães para tirar o cloro dos pelos. A secagem após o banho é essencial para evitar micose, dermatites e alergias ao cloro. Também é importante secar bem as patas dos pets, lembra Thaís Matos, veterinária da DogHero. Também é necessário prestar atenção se há água no ouvido do pet, pois este acúmulo pode gerar um quadro de inflamação chamado de Otite. Busque secar bem as orelhas e observar se ele está com algum incômodo no ouvido.