Bem Estar Saúde

Atendimento de urgência e emergência em Curitiba é mantido por hospitais que não recebem COVID-19

Sem o Hospital Universitário Cajuru, Curitiba teria dificuldades para o atendimento de saúde

Além dos hospitais de referência para a COVID-19, o atendimento de saúde em Curitiba durante a pandemia é possível graças aos hospitais que não atendem pacientes com o novo coronavirus, mas recebem pacientes de urgência e emergência de outras comorbidades que, em situações normais, seriam encaminhados para os centros médicos de referência. É o caso do Hospital Universitário Cajuru, que possui atendimento 100% SUS na capital.

O HUC é filantrópico e conta com 206 leitos divididos em demandas de urgência, emergência e Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neste período de pandemia. Segundo o diretor geral do Hospital, Dr. Juliano Gasparetto, sem hospitais como o Cajuru, Curitiba teria dificuldades para o atendimento de todas as questões de saúde. “Seria difícil a cidade atender às demandas tanto da pandemia quanto os atendimentos de outras doenças e de casos de urgência e emergência”, explica.

Demandas de atendimento

Conforme medidas adotadas pelas autoridades de saúde de Curitiba, o HUC tem recebido pacientes de urgência e emergência das regiões Norte e Leste da cidade. Nestas regiões estão, inclusive, os entroncamentos de três importantes rodovias federais (BRs 277, 116 e 376/101), locais em que podem ocorrer acidentes.

Por causa da pandemia, cirurgias eletivas e atendimentos ambulatoriais foram suspensos nos hospitais por determinação das secretarias de Saúde de Curitiba e do Paraná. Com isso, todo o atendimento do Hospital Universitário Cajuru está voltado para essas questões que envolvam, por exemplo, traumas causados por acidentes e complicações de outras doenças.

Recomendação de isolamento continua

O Dr. Juliano alerta para a necessidade de a população manter as medidas de isolamento e distanciamento social para evitar, além da COVID-19, outras doenças e traumas. Isso porque o aumento de circulação de pessoas tende a aumentar o número desses atendimentos, o que pode trazer consequências na lotação dos hospitais.

O diretor geral do HUC comenta que, mesmo na época de pandemia, houve aumento em torno de 50% no atendimento de urgência e emergência para casos que não envolvem COVID-19 no hospital. “É necessário para o bom andamento da saúde da cidade que as pessoas mantenham essas medidas de isolamento e distanciamento. Se precisar trabalhar, vá de casa para o trabalho e do trabalho para a casa. Evitar aglomerações, acidentes e agressões físicas é muito importante para o bom fluxo de funcionamento dos hospitais”, diz.