Karol Estima Mundo Pet

Cães Não Sentem Culpa por Karol Estima

Eles são dotados das emoções básicas: alegria medo, raiva e até amor. Porém não vivenciam as emoções complexas como culpa, orgulho e vergonha. Pesquisas comprovam que eles fazem aquela “cara de culpados” mesmo quando não são responsáveis pelo erro. Ou seja, seu cão sabe que você está bravo mas ele NÃO sabe o motivo. A ideia de que “ele sabe o que fez” não passa de uma interpretação (errônea) humana. Essas expressões são os Calming Signals, ou Sinais de Calma, e significam que o cão está tentando apaziguar a situação. Pare de punir seu cão e fazer com que ele tenha medo de você. Ensine ao seu cão o que você espera dele e torne-se seu melhor amigo.

 

Volta e meia aparece algum vídeo sobre “cães arrependidos”, e eu coloquei um no final do texto para exemplificar para vocês. Como adestradora, assisto esses vídeos dando atenção aos sinais que os cães passavam, sem me preocupar muito com a palavra “arrependimento”. Meu texto dessa semana é um convite para você analisar esse vídeo comigo, do ponto de vista dos cães, tentando entender o que eles estão tentando nos dizer. Vamos lá?

 

Os cães não conseguem se comunicar através de palavras, como nós, mas com certeza eles se expressam. Eles usam o corpo para se comunicar com outros cães e também com seres humanos e eu acredito que entender essa linguagem corporal é peça fundamental para a boa convivência entre os cães e seus proprietários.

 

Na verdade, nosso corpo passa MUITO mais informações aos nossos cães do que nossas palavras, mesmo sem sabermos. Aí já começa boa parte da dificuldade da comunicação: nós, seres humanos, animais falantes, tentando nos comunicar com cães, animais que utilizam o corpo para se expressar. Assim como para nos comunicarmos com uma pessoa muda precisamos aprender a linguagem dos sinais (libras), é preciso aprender a linguagem dos cães para podermos nos comunicar com eles.

 

Já reparou como é difícil tirar uma foto de um cachorro bem de pertinho? Ele está lá, numa posição super fofa, e quando você se aproxima com a câmera, ou ele vira a cabeça, ou levanta e vai embora, se lambe, cheira alguma coisa…. Acredita-se que eles se sentem incomodados com aquele grande “olho” da máquina fotográfica, ou então com a proximidade do celular no focinho deles. Sabe por que? Na linguagem canina, aproximar-se diretamente de frente, olhando no olho, é uma extrema falta de respeito. Os cães com boa “etiqueta canina” se aproximam de um cão desconhecido chegando pela lateral, nunca encarando um ao outro. Você e sua máquina fotográfica mal educada… 🙂

 

Em 2006, a adestradora e comportamentalista norueguesa Turid Rugaas escreveu o livro On Talking Terms With Dogs: Calming Signals, um excelente referencial sobre linguagem canina. Os Calming Signals, ou Sinais de Apaziguamento, são gestos que o cão faz em situações tensas, quando ele está com medo ou ansioso, que indicam que ele não está disposto a brigar, e sim evitar um conflito, a fim de manter a harmonia social. Se fossem dois homens discutindo, os Calming Signals seriam o equivalente a um deles dizer “cara, deixa isso pra lá e vamos tomar uma cerveja”. E, assim como um amigo pode interferir e encerrar uma discussão entre duas pessoas, os cães também podem “se intrometer” na silenciosa discussão alheia para dissipar a tensão entre outros cães.

Alguns desses Calming Signals são: desviar o olhar, virar a cabeça e olhar para o lado, bocejar, lamber os lábios e o focinho seguidamente, chacoalhar o corpo como se estivesse se secando, erguer uma das patas dianteiras, cheirar o chão, o o ar ou até outro cão, ficar encolhido próximo à parede, esconder-se embaixo de móveis, orelhas para trás, na maioria das vezes ficam imóveis, com o corpo todo tensionado, entre outros sinais.

 

A Dra. Alexandra Horowitz (autora de A Cabeça do Cão, excelente livro!)  apresentou uma pesquisa que buscava avaliar se os cães sentem culpa, se eles realmente “sabem o que fizeram de errado”. A pesquisa consistia em o dono colocar um petisco na frente do cão e dar o comando (previamente ensinado) para não pegar. Então o dono saía do cômodo e retornava algum tempo depois. Se o cão tivesse obedecido, o dono fazia festa e o recompensava. Se o cão tivesse comido o petisco, o proprietário deveria dar-lhe uma bronca. O problema é que muitas vezes o próprio pesquisador (que tinha ficado no cômodo filmando a reação do cão) pegava o petisco, sem o proprietário saber.

 

O que aconteceu foi que TODOS os cães que levaram bronca, tendo comido o petisco ou não, demonstraram Calming Signals assim como os cães desse vídeo que estamos falando. Assim sendo, fica a pergunta: se o cão sabia que ele não tinha feito nada de errado e que o pesquisador é que tinha pego o petisco, porque então ele fazia “cara de culpado”? Será então que os cães realmente “sabem o que fizeram”? Ou seja, será que eles realmente sabem porque estão levando uma bronca?

 

Durante a pesquisa, a Dra. Horowitz notou, inclusive, que a “cara de coitado” se intensificava conforme a bronca se estendia, mesmo naqueles cães que não tinham feito nada de errado. Assim sendo, será que a “cara de coitado” de um cão não poderia estar relacionada simplesmente à bronca em si, e não com algo que o cão tivesse feito anteriormente?

 

Existe uma explicação muito razoável para pensarmos que os cães sentem culpa, e está num processo chamado antropomorfismo, que significa atribuir características humanas a divindades, animais, elementos da natureza e outros seres não humanos. Temos tamanha empatia por nossos amigos peludos, gostamos tanto deles, da sua companhia, que não parece ser suficiente que eles ocupem a posição de um membro da família. Queremos que eles se pareçam um pouco mais conosco, tratamos de “humanizar” nossos mascotes, e acabamos por esquecer da sua essência canina.

 

Agora que você sabe de todas essas informações, assista o vídeo e depois me diga, ali nos comentários, se você continua vendo cães engraçadinhos e arrependidos. Interpretar os sinais que os cães estão tentando nos passar, como eu disse anteriormente, é fundamental para uma relação saudável, de confiança e respeito.

Será que você consegue identificar esse sinais ao longo do vídeo? Veja como o primeiro cão do vídeo se esconde conforme ele ouve o proprietário. O segundo cão que aparece mal olha para a pessoa que está falando com ele, mantém os olhos apertadinhos e uma postura encolhida. O terceiro cão do vídeo, o pastor alemão, também dá umas olhadinhas rápidas para quem está filmado, mas na maior parte do tempo está olhando para cima, talvez porque ele esteja tão encostado na parede que nem consiga virar a cabeça para o outro lado. O cãozinho de número seis foge da pessoa que está filmando, vai para a caminha, e repare na expressão corporal dele: encolhido, orelhas para trás, evita olhar para a pessoa… Aliás, essa é uma reclamação frequente quando os proprietários estão dando uma bronca no seu cachorro é essa: “Totó, olhe para mim”. Quase todos eles no vídeo falam isso. Por que será que os cães não olham para os donos nessa hora? E ainda existem outros tantos cães no vídeo que apresentam os Sinais de Apaziguamento que comentei.

 

Ficou interessado em aprender mais sobre a linguagem canina? A EstimaÇão Consultoria está organizando um curso online sobre o assunto, pois nosso objetivo é sempre levar informação de qualidade que melhore a sua relação com o seu peludo. Escreve pra gente!

 

Beijos a todos e até a próxima semana!

Karol Estima, Relações Públicas, Bióloga e proprietária do Estima Adestramento.

No Portal Believe News, Karol assina coluna com textos a respeito do Mundo Pet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *