Armindo Ferreira Novidades

Estamos vivendo um momento de mudança nas redes sociais

Logo no começo do ano o criador da rede Facebook Mark Zuckerberg anunciou uma série de mudanças na rede para distribuir menos notícias e mais textos de pessoas próximas, basicamente amigos e familiares. E ele mesmo já sabia que isso ia gerar o efeito colateral de fazer com que as pessoas usassem menos a rede.

E conversando com várias pessoas tenho sentido que tem acontecido isso mesmo. Cada vez menos pessoas usando a rede social do F azul.

Se você perguntar para adolescentes então é bem provável que essa fatia seja ainda maior. Então quer dizer que o Facebook está com os dias contados?

Não é bem assim. A gente não pode esquecer que a empresa anda muito bem das pernas e principalmente muito capitalizada. E que o Facebook também é o Instagram e o WhatsAPP; além de dezenas de startups que são compradas todos os anos pela companhia de Zuckerberg.

Mas o que claramente está acontecendo é uma pulverização da audiência. Se você tiver um adolescente aí do seu lado pergunte a ele sobre uma rede social chamada Musical.ly. Você irá se surpreender com a resposta. Ano passado a rede já tinha mais de 200 milhões de usuários ativos e não para de crescer. Trata-se de uma rede social baseada em vídeos curtos verticais e os jovens adoram.

O Twitter anda em alta por conta do presidente Trump e pelos criadores de conteúdo do Youtube que adotaram a rede do passarinho azul para se relacionarem e se posicionarem sobre assuntos sem precisar gravar vídeos.

E recentemente surgiram novas redes como a Vero e a Refind (essa eu tenho usado bastante) que tem gerado um certo buzz sobre serem o “próximo Facebook”. Minha aposta é que não teremos um “próximo Facebook”: cada um vai achar seu cantinho com a sua comunidade e viver felizes digitalmente para sempre.

Fique de olho nas redes sociais de nicho.

Bloco de notas

A Samsung acaba de lançar uma nova versão do seu notebook gamer, o Odyssey. Com cada vez mais pessoas usando celulares para se conectar, esses equipamentos andavam com as vendas em baixa. Mas o crescimento do universo dos games tem impulsionado toda uma cadeia. Vale acompanhar esse movimento.

 

 

Armindo Ferreira*Armindo Ferreira é um dos principais blogueiros de negócios e tecnologia do país e autor do http://www.blogdoarmindo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *