Madrugada no Centro
Cultura Últimas

Madrugada no Centro

A noite de 24 de fevereiro traz os ritmos dançantes da África Contemporânea, com viradão da exposição Ex Africa e ingressos a preços populares.

 

O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB-RJ) promove mais uma edição do projeto “Madrugada no Centro”. O evento, que tradicionalmente ocorre na área externa do CCBB, receberá cinco festas ao todo, sendo uma por mês, e mistura DJs conhecidos do grande público e artistas convidados, compondo um ‘setlist’ temático para cada edição. A próxima e última edição da quarta temporada acontece na noite de sábado, 24 de fevereiro, junto com o viradão da exposição “ExAfrica”. Ou seja, quem for à festa poderá visitar a exposição no CCBB, que ficará aberta durante o evento, das 23h do dia 24 de fevereiro até as 5h da manhã.

A noite começa com a Festa Makula, ao som de ritmos africanos, como afrobeat, highlife, benga, ethio jazz, kuduro etc. Em seguida, soam os Tambores de Olokun, com batuques de candomblé e maracatus de baque virado, com participação da cantora congolesa Sagrace Menga e seus cantos de Kinshasa, capital da República Democrática do Congo. Depois, o show é de Lucy Alves, que traz um repertório multicultural em noite de pluralidade e novos encontros. A cantora convida Tássia Reis e os Tambores de Olokun, que retornam ao palco unindo a música regional nordestina ao maracatu, no ritmo dos tambores africanos, de Gonzaguinha à Nação Zumbi. Soltando o verbo contra o racismo, toma o palco o eletrizante coletivo baiano Afrobapho, formado por jovens negros de Salvador. A noite termina com a Festa Makula.

O primeiro evento dessa edição aconteceu no dia 11 de outubro, com a festa Sotaque Carregado, conduzido pelo DJ MAM, apresentação do Carimbloco e show de Felipe Cordeiro com participação especial de Dona Onete. Dia 18 de novembro foi a vez de comemorar o Dia da Consciência Negra, com 72 horas de atividades, mais shows de Soul de Santa, Larissa Luz, MV Bill, Caio Prado, Festa Trap’in e QXO. Em 16 de dezembro, o Madrugada celebrou a Diversidade, trazendo Minha Luz é de Led, show de Rico Dalasam com participação de São Yantó e Pocket Show do Coletivo As Travestidas. Nos dias 5 e 6 de janeiro, teve roda de conversa sobre Carnaval, ensaio do bloco Vem Cá Minha Flor e uma grande noitada com DJ Calani, Festa Desbunde, Festa Xêpa,Orquestra Céu na Terra e participações de Emanuelle Araújo e João Cavalcanti.

Realizado desde 2013, o projeto mantém a tradição de resgatar a vida noturna e musical do Centro do Rio, em linha com o movimento de revitalização da região. “Madrugada no Centro” é um convite para uma viagem à musicalidade carioca.

CULTURA AFRICANA NO CCBB

Desde a exposição Arte da África (2003), que ofereceu ao público um rico painel sobre o legado cultural africano, fundamental na formação da identidade brasileira, o Centro Cultural Banco do Brasil tem apresentado projetos variados que demonstram a contribuição da matriz africana para a arte produzida no Brasil e no mundo.

Neste contexto, o CCBB abre seus espaços agora no primeiro semestre de 2018 para novos projetos que celebram e destacam elementos ligados à cultura africana: Ex Africa, exposição com fotografias, instalações e performances; a peça de teatro Preto; a mostra de cinema John Akomfrah – Espectros da Diáspora; e uma edição especial do projeto musical Madrugada no Centro. Esses eventos dialogam entre si com temáticas e situações variadas, cuja transversalidade oferece ao visitante um espaço propício à reflexão crítica sobre a arte contemporânea e o seu papel na construção de uma sociedade mais igualitária, que promova o respeito à diversidade.

PROGRAMAÇÃO

24 de fevereiro: África Contemporânea

Festa Makula + Tambores de Olokun com participação especial de Sagrace Menga + Show de Lucy Alves com participação especial de Tássia Reis + AfroBapho 

Madrugada no Centro - Believe News

Makula: Festa de música africana, criada no início de 2009 no Rio de Janeiro. Marcam presença nos seus sets ritmos como afrobeat, highlife, jujumusic, soukous, ndombolo, voodoo funk, benga, chimurenga, mbaqanga, ethio jazz, semba, kuduro etc.
Sempre seguindo uma filosofia musical panafricanista (restrita à África, e não à diáspora negra em geral), os DJs Lucio Branco e Zé McGillmostram a potência dos sons e ritmos do continente original em um repertório muito pouco – quando nunca – executado pela grande maioria dos DJs cariocas, e mesmo pelos DJs de outros estados do país. Desde 2009, a MAKULA é co-produtora das edições cariocas do FELA DAY, evento anual que celebra o nome e o legado do músico e ativista nigeriano FelaKuti.

Tambores de Olokun: Grupo percussivo que tem como inspiração e referência a linguagem do candomblé e a formação dos maracatus de baque virado da cidade do Recife (PE). Criado, em 2012, pela união do percussionista Alexandre Garnizé com seus alunos e alunas, o grupo explora as raízes musicais, históricas e religiosas dessa expressão cultural. Carregando a identidade de seu mestre (ou aluno mais antigo, como prefere) e demais integrantes, valoriza e respeita as tradições, mas enxerga o contexto da cultura afro-brasileira como um universo que abrange muito além da reprodução do maracatu.

Lucy Alves: Nascida em João Pessoa (PB), a instrumentista Lucy já tocava violino e se apresentava com as irmãs desde os oito anos de idade. Integrou orquestras importantes do Nordeste, e com o grupo musical da família (Clã Brasil) gravou oito álbuns e conquistou o Nordeste no ritmo da música regional. Um dia seu caminho se cruzou com o de Alceu Valença, e passou a participar de sua banda em shows pelo Brasil e Europa. Revelada em 2013 como uma das finalistas do The Voice Brasil, sua jornada rendeu elogios da crítica especializada. Lucy dedica-se agora ao próximo álbum, pela Warner Music, misturando o regional, sua marca registrada, com o pop contemporâneo.

Tássia Reis: Em 2016, Tássia lançou “Outra Esfera”, disco que se destaca por letras fortes, beats pesados e rimas ritmadas. Ao longo de todas as faixas, é possível perceber uma artista madura, segura e livre. Tássia já se apresentou em importantes palcos do Brasil, como o Centro Cultural Rio Verde, Auditório Ibirapuera, Circo Voador, Itaú Cultural, Cine Joia, CCBB e principais unidades da rede Sesc, sempre unindo o público das festas de rap aos festivais de jazz. Além da carreira solo, a artista é integrante do coletivo feminino “Rimas & Melodias”, composto por sete mulheres do hip hop. Tássia Reis será a convidada especial no Show de Lucy Alves com os Tambores de Olokun, em formação especial para a noite, cantando entre outras músicas A Dança, de Chico César, com os tambores africanos de fundo.

Afrobapho: O coletivo é formado por jovens negros de Salvador – BA, e utiliza as artes integradas como ferramenta de mobilização e sensibilização social. Com performances exclusivas para o projeto Madrugada no Centro, o show traz narrativas de diásporas africanas em três momentos diferentes. O primeiro,“Exaltação da História Ancestral”, faz uma homenagem aos Orixás, acompanhando a música “Saudação”,de Rita Ribeiro, passando pelo Coração do Mar, de Elza Soares, e encerrando com a performance “Quanto Pesa?, de Luciane Dom. Em seguida, o grupo apresenta o “Afropresentismo”,em uma crítica ao racismo institucional, genocídio da juventude negra, dissidências de sexualidade e gênero, com performance de músicas de artistas como Racionais MCs e Linn da Quebrada. No terceiro e último bloco, o grupo apresenta o “Afrofuturismo”com performance de Vogue, ao ritmo de funk e hip hop.

 

Link:https://www.facebook.com/AFROBAPHO/videos/1196468463816851/

PRODUÇÃO E CURADORIA: PAITA PRODUÇÕES ARTÍSTICAS

SERVIÇO

MADRUGADA NO CENTRO

24 de fevereiro: África Contemporânea
Horário: 22h às 4h
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e 10,00 (meia)
Vendas: Bilheteria do CCBB, de 9h às 21h, e através do site www.eventim.com.br
Classificação etária: 18 anos
Espaço sujeito a lotação
End.: Rua Primeiro de Março, 66 – Centro – Rio de Janeiro
Tel.: (21) 3808-2000
Programação completa: www.facebook.com/madrugadanocentro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *