Morar Bem Últimas

Palácio Tangará é mais que luxo. É uma experiência

Mais do que ostentação e uso de materiais caros, o luxo na hotelaria é, hoje, uma experiência. E isso inclui itens de design na decoração, projetos assinados por profissionais reconhecidos e ambientes que em nada lembram as antigas áreas comuns. O lobby, por exemplo, se torna um espaço que pode ser interativo, ter um ar descolado, e fazer com que os hóspedes se sintam à vontade. O restaurante pode trazer, além do design, a marca de um chef de renome para a confecção do menu. Nada de balcão na recepção. Em alguns casos, os check in são feitos online e o hall de entrada ganha ares de sala de estar.

O recém inaugurado Palácio Tangará é assim. Surpreendente em todas as áreas comuns, o hotel é considerado um dos mais luxuosos do país e citado como padrão seis estrelas por diversos especialistas. São 27 mil m2 de área construída no meio do Parque Burle Max, em São Paulo. Aqui a arquitetura e a alta cozinha prometem uma experiência única aos hóspedes.

O projeto de interiores das áreas comuns leva a assinatura da arquiteta Patricia Anastassiadis, que acumula importantes projetos no currículo – Hilton Barra, Grand Hyatt, Ritz Carlton, Club Med Trancoso e Tivoli Mofarrej – e apresenta um trabalho de alfaiataria arquitetônica, inspirada em documentos naturalistas como os pintados por Debret, Eckhout e Rugendas. “Quero mostrar que dentro desse hotel tudo é nacional: a qualidade dos nossos minerais, a sofisticação das matérias-primas, o nosso design. Falamos, sim, de um Brasil riquíssimo em belezas naturais, mas também de um dos marcos mundiais do Modernismo, de um lugar absolutamente cosmopolita – tudo mantendo o DNA dos grandes hotéis da Oetker. É quase um olhar estrangeiro, só que de dentro para fora”, conta Patricia.

O counter da recepção faz uma releitura dos grandes hotéis franceses (em especial os legendários châteaux parisienses), em vidro, latão e couro, sinalizando a mistura fina de materiais que caracteriza o trabalho da arquiteta, que sempre tratou seu ofício como alta-costura. Atrás do balcão, a obra Mixirica, de Artur Lescher, alinha a cena. No Tangará, as obras de arte determinaram o layout.  Sobre bases sofisticadas – que incluem um tapete de 200 metros quadrados desenhado por Patricia em degradê e executado na Índia – a mobília também é quase 100% autoral, fabricada pela Artefacto. Poltronas, sofás e cadeiras recebem referências Art Déco, Art Nouveau e orientais com curvas sensuais e proporções um pouco mais generosas, feitas sob medida. Um dos exemplos dessa originalidade é o sofá Jean, que tem shape delineado em homenagem a Jean-Georges Vongerichten, o poderoso chef três estrelas Michelin que assume a cozinha do Tangará. O restaurante conta uma private dinner, chef´s table para 16 convidados e adega.

O SPA é composto por um jardim privativo e ocupado pelo Spa Longevity by Sisley, renomeada empresa francesa de beleza. A piscina é revestida com mármore e possui detalhes em pastilhas para criar uma arquitetura simbólica e aproveitar a iluminação natural do local. Ainda para o SPA, Patricia desenvolveu um modelo de ducha exclusivo, executada pela Deca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *