Bem Estar Novidades Saúde Tecnologia e Games

Robô brasileiro é o novo ajudante do Hospital Universitário de Maringá para o combate ao coronavírus

O Tinbot atua no hemocentro, recepção e pediatria para amenizar a dor da pandemia por meio da transmissão de dicas e informações sobre a doença e doação de sangue, de maneira interativa e leve

Com o sucesso na tarefa de auxiliar na recepção e interação entre pacientes internados e familiares no hospital Santa Casa de Misericórdia de Maringá, atuando linha de frente do combate à Covid-19, o Tinbot primeiro robô brasileiro interativo que reúne Inteligência Artificial, Cognição e IoT (Internet of Things) se prepara para mais uma missão, dessa vez no Hospital Universitário de Maringá.

Em meio à uma pandemia global que vem assustando o mundo todo com seus dados alarmantes, é importante adotar uma forma mais leve e interativa de abordagem sobre informações cruciais e cuidados necessários para evitar a propagação do vírus, principalmente em um ambiente em que essa e outras doenças são vistas frequentemente. Com sua interface simpática e cativante, o robozinho maringaense consegue assumir tal compromisso sem dificuldades.

A princípio o Tinbot atuou no setor do hemocentro, onde foi responsável por dar dicas de prevenção contra o coronavírus, explicando sobre os sintomas da doença, cantando a música “sem abraço sem beijinho” – que reforça a necessidade de manter uma distância segura – além de transmitir informações e ações que incentivam a doação de sangue e sua importância, fornecendo conhecimento e tirando dúvidas sobre o assunto.

“As pessoas podem perguntar ao Tinbot como se prevenir do novo coronavírus, quais os sintomas da doença, por que o vírus tem esse nome, o motivo de usar máscara, entre outros questionamentos”, explica Marco Diniz Garcia Gomes, Líder de Produto da Tinbot Robótica.

.

Os próximos desafios do simpático robozinho são na recepção do hospital, permanecendo com a transmissão de informações gerais sobre a Covid-19 e distraindo as pessoas que estiverem no hospital contando curiosidades e atuará ainda no setor de pediatria, assumindo as mesmas funções além de também contar suas próprias histórias e piadas, sempre com o objetivo de deixar o ambiente tranquilo e leve, mesmo com a crise.

Além do conhecimento compartilhado sobre o vírus, o Tinbot ainda será o elo entre infectados pela Covid-19 e familiar, amenizando o drama do distanciamento necessário durante o período de internação por meio da função de vídeo-chamada, disponível no robô. Funciona como uma ligação via WhatsApp, mas usando a câmera e o microfone do robô, na qual o parente também vai poder mover o robozinho pelo seu próprio computador.

Desenvolvido pela Tinbot Robótica, startup parte do Grupo DB1, grupo de empresas brasileiras de tecnologia com sedes no Brasil, Argentina e EUAo Tinbot conta com fala natural em português, reconhecimento facial e de voz, gestos e expressões, além de ser integrável a outros sistemas por meio de APIs, possibilitando interatividade e personalidade humanizada. Fora isso, é habilitado para fazer captação de fotos, movimentar mãos, braços e torso – controlados por meio da linguagem Tico-Tico, criada pelo idealizador do projeto, usando emoticons para representar as reações do robô – e ainda permite que cada empresa personalize e programe a plataforma de acordo com suas necessidades.

Na mídia, o Tinbot foi um dos protagonistas da série “O Melhor do Brasil é o Brasileiro”, da Globonews, participou da última temporada de um dos mais importantes programas sobre games na televisão brasileira, no Jornal Nacional e no segundo semestre de 2019 foi “engolido pelos tubarões” do reality Shark Tank e recebeu investimento de João Appolinário, da Polishop.